.share-button {display: inline-block;}

21 março, 2014

Em fase final!

mate-01Na semana do dia 24 ao 29 de março a equipe do Coletivo Catarse/Projeto Carijo vai se deslocar para os municípios de Panambi, São Miguel das Missões e Giruá, onde será lançado o filme Carijo. É um retorno às principais localidades conde foram coletadas as informações para a confecção de uma caixa que contém, para além do filme e seus extras, uma cartilha sobre como montar um carijo e um livro de autoria do biólogo Moisés da Luz, um dos idealizadores desta ideia juntamente com a equipe da Catarse.

Em breve lançamento em Porto Alegre e início da distribuição dos kits e do material digital via internet.

Um agradecimento especial a todos que se somaram às duas carijadas e à mateada produzidas para o filme e a todos que auxiliaram na empreitada!



Sobre o projeto:
O Projeto Carijo - Herança do Conhecimento Ancestral na Fabricação Artesanal da Erva-Mate foi contemplado em edital de Patrimônio Cultural Imaterial do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. É uma realização do Coletivo Catarse para valorizar uma cultura ancestral, de raiz indígena, em fase de extinção, mas que é a base histórica da produção da bebida símbolo do Rio Grande do Sul: o chimarrão. Está sendo lançado neste início de 2014 um caixa contendo o DVD com o filme "Carijo" e extras com o passo-a-passo sobre como se monta esta estrutura de erva-mate; uma cartilha demonstrando como se monta o carijo e como se produz erva-mate nessa estrutura; e o livro "Carijo: sasber cultural do Rio Grande do Sul, símbolo da resistência e conhecimento indígena e camponês na fabricação de erva-mate", de autoria do biólogo Moisés da Luz, natural de Panambi.

Sobre o filme:
Longa-metragem realizado pelo Coletivo Catarse, que conta a história que envolve o carijo e o método artesanal de produção da erva-mate. Para sua produção, foram realizadas duas carijadas, uma em Panambi, em outubro de 2012, e outra em São Miguel das Missões, em janeiro de 2013. Nesses dois eventos, mais de 100 pessoas participaram e dividiram os mais de 300 kg de erva-mate produzida artesanalmente. Sinopse: Tupã fez da erva-mate uma planta sagrada. O Guarani tratou de transformá-la em essencial a sua espiritualidade e em uma bebida simbólica e costumeira. O gaúcho a assumiu como sua. Este filme versa não exatamente sobre o chimarrão, mas sobre uma estrutura que serviu como o primeiro salto produtivo de produção de erva-mate - anteriormente, os indígenas apenas penduravam chumaços de erva sobre a fogueira. Mistura do conhecimento guarani com a ânsia pela larga escala acumulativa do imigrante branco, o carijo segue hoje como uma cultura de resistência - é peça chave de uma produção essencialmente artesanal e de característica camponesa. São poucos os que resistem fundados no Rio Grande do Sul, mas aqueles que mantêm a chama acesa produzem um mate de sabor intenso e carregado na ancestralidade típica dos povos originários desta terra - mesmo que hoje haja um distanciamento evidente deste conhecimento na construção cultural do gaúcho moderno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário